Sempre tive uma grande paixão pelas viagens, em descobrir lugares novos, pessoas e costumes diferentes…


Ao longo dos últimos vinte anos viajei pelos cinco continentes, totalizando 35 países.


Foi viajando que encontrei a minha vocação. Me tornei guia de turismo no Rio de Janeiro, onde estudei e obtive a credencial nas categorias: regional, nacional e internacional pela Embratur.


Em 2000, me casei e acabei fixando residência em Paris. Aqui fiz vários cursos como História da Arte na Escola do Louvre, História da Arte Renascentista na Escola Superior de Artes Aplicadas Duperré, além de outros cursos livres sobre o patrimônio artístico de Paris: arquitetura, pintura, escultura, jardins, etc.


Sou oficialmente Guia de Turismo em Paris com carteira profissional emitida pelo Ministério do Turismo e da Cultura da França.


Assim com o olhar de uma viajante e de uma profissional da área, tenho oferecido meus serviços de acompanhamento, organização e consultoria para turistas brasileiros em Paris.


Bienvenue à Paris !


Miriam Tanno Girardot


sábado, 26 de janeiro de 2013

Palácio do Luxemburgo em Paris


Foto: Miriam  T. Girardot

Construído por Marie de Médicis, mãe do rei Luís XIII, no local de um antigo hôtel particulier (palácio urbano) pertencente a François, duque de Luxemburgo, de onde vem o seu nome.

Marie de Médicis comprou a propriedade em 1612, tendo encomendado o novo palácio, ao qual se referia como Palais Médecis, em 1615.

A rainha passou a residir no local em 1625. Os aposentos de um dos lados, no piso térreo, foram reservados para ela, e o conjunto correspondente no outro lado para seu filho, Louis XIII.
A construção foi finalizada em 1631, mas a rainha mãe foi expulsa da corte no mesmo ano, na seqüência da Journée des Dupes (Dia dos Logrados), quando tentou derrubar o Cardeal de Richelieu, primeiro-ministro da França.
Fonte Médicis - foto: Miriam ATG 
Em 1642, a rainha deixou em herança o Palácio do Luxemburgo ao seu segundo filho, Gastão de Orleans, o irmão mais novo do rei. 
O palácio passou depois para a sua viúva e para a sua filha, Ana, Duquesa de Montpensier, que fez dele a sua residência. A filha desta, a Duquesa de Guise, herdou-o em 1660 e deu-o a Luís XIV em 1694.
O palácio não voltaria a ser habitado até ser possuído por Luís XVI que o deu, em 1778, ao seu irmão, o Conde de Provença.

Durante a Revolução, foi uma prisão durante um breve período, em seguida foi o centro do Diretório e mais tarde a primeira residência de Napoleão Bonaparte, como Primeiro Cônsul de França.
Durante a 2a. Guerra Mundial, o palácio foi ocupado pelos alemães.

Atualmente, o Palácio de Luxembourg é ocupado pelo Senado Francês - Le Sénat.
Na primavera - foto: Miriam ATG
O local mais conhecido como "Jardim de Luxembourg", possui 25 hectares, um dos maiores da capital e um dos mais visitados também.

Possui 106 estátuas que encontram-se espalhadas pelo parque, um grande tanque de água onde as crianças pilotam modelos de barcos, quadras de tênis, quadra para basquete, mesas para jogar xadrez, o Museu Luxembourg (exposições temporárias), um hotel particular que é a residência oficial do presidente do Senado, teatro de marionete (guignol), parquinho para crianças até 12 anos (não é gratuito), lanchonetes, e o coreto (aqui chamado de kiosque) que apresenta um programa musical variado.
Em volta da grade do jardim sempre há uma exposição de fotos e que à noite fica mais bacana porque as fotos ficam iluminadas.

Gosto do Jardin de Luxembourg principalmente no outono e primavera.
Foto: Miriam ATG
O jardim funciona a partir das 7h30 (verão) e 8h15 (inverno) e fecha às 16h30 (inverno) e 21h30 (verão)

Possui varias entradas:
- Rue de Vaugirard
- Rue Guynemer
- Place André Honnorat
- Place Edmond Rostand

Metrô Odeon linhas 4 e 10
RER B Luxembourg

Nenhum comentário: