Sempre tive uma grande paixão pelas viagens, em descobrir lugares novos, pessoas e costumes diferentes…


Ao longo dos últimos vinte anos viajei pelos cinco continentes, totalizando 35 países.


Foi viajando que encontrei a minha vocação. Me tornei guia de turismo no Rio de Janeiro, onde estudei e obtive a credencial nas categorias: regional, nacional e internacional pela Embratur.


Em 2000, me casei e acabei fixando residência em Paris. Aqui fiz vários cursos como História da Arte na Escola do Louvre, História da Arte Renascentista na Escola Superior de Artes Aplicadas Duperré, além de outros cursos livres sobre o patrimônio artístico de Paris: arquitetura, pintura, escultura, jardins, etc.


Sou oficialmente Guia de Turismo em Paris com carteira profissional emitida pelo Ministério do Turismo e da Cultura da França.


Assim com o olhar de uma viajante e de uma profissional da área, tenho oferecido meus serviços de acompanhamento, organização e consultoria para turistas brasileiros em Paris.


Bienvenue à Paris !


Miriam Tanno Girardot


segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Marron glacé, você ja experimentou ?

Uma arvore feita de marron glacé na vitrine da Foucher  - Foto: Miriam ATG 
O marron glacé é um doce refinado, feito à base de castanha e açúcar. 
No Brasil,  é feito com batata-doce, que também acho uma delicia, mas para os iniciados no verdadeiro marron glacé, quando estão na França, se deliciam, mesmo que o preço assuste um pouco. 
A caixinha com 220 gramas custa 28 € - foto: Miriam ATG

O preço justifica pelo trabalho em ser produzido. A realização é bem longa, são  16 etapas, segundo a receita de Clément Faugier, que foi o primeiro fabricante de marron glacé em 1882, na região de Ardéche, na França. Essa foi a primeira região produtora de castanhas, tanto em volume como pela qualidade. Com a crise da cultura do bicho-da-seda, a mão de obra existente no local voltou-se para a fabricação desses doces finos.
A preparação começa por uma rígida seleção de castanhas, elas têm que ser grandes, perfeitas e macias. Após serem cozidas ao vapor, a fina casca que a envolve é retirada com uma faca. A castanha é uma fruta delicada e se fragmenta facilmente. Ela é envolvida em um tule branco e colocada dentro de uma calda de açúcar perfumada com baunilha durante vários dias. Depois passa por um túnel de secagem que dá o aspecto brilhante. O marron glacé é embrulhado manualmente, exigindo muita delicadeza. 
As castanhas que se quebram durante a sua transformação, Clément Faugier teve a idéia de aproveita-las, criando assim, o "crème de marron", que o tornou famoso.  O bolo da foto é feito desse creme de marrom.
Bolo ao creme de marrom e chocolate decorado com marron glacé - Foto: Miriam ATG 

Existem várias teorias na origem do marron glacé, alguns dizem que é italiana, outros dizem que é francesa, o certo é que surgiu em meados do século XVI.
Esses doces deliciosos são encontrados a partir do mês de novembro em lojas especializadas, nas chocolaterias e docerias em geral. 

Receita do "Gateau aux crème de marrons et au chocolat":
- 1 lata de creme de marrom da marca Clément Faugier
- 100 g de manteiga
- 100 g de chocolate em barra
- 3 ovos
Derreter a manteiga e o chocolate em banho-maria.
Misturar o creme de marrom e os ovos.
Acrescentar a manteiga e o chocolate.
Misturar bem.
A receita é assim mesmo, sem farinha e sem fermento.
Colocar numa forma untada com manteiga e levar ao forno (200°C), após   50 minutos, utilize uma faca e afunde no bolo, se a faca  sair limpa, pode tirar do forno e deixe esfriar.
Eu passo o açúcar de confeiteiro em cima do bolo com a ajuda de uma peneira, mas apenas antes de servir. 
Quanto  à lata de crème de marron da marca Clément Faugier, acredito que em cidades grandes é possível encontrar facilmente em lojas de produtos importados.


Nenhum comentário: