Sempre tive uma grande paixão pelas viagens, em descobrir lugares novos, pessoas e costumes diferentes…


Ao longo dos últimos vinte anos viajei pelos cinco continentes, totalizando 35 países.


Foi viajando que encontrei a minha vocação. Me tornei guia de turismo no Rio de Janeiro, onde estudei e obtive a credencial nas categorias: regional, nacional e internacional pela Embratur.


Em 2000, me casei e acabei fixando residência em Paris. Aqui fiz vários cursos como História da Arte na Escola do Louvre, História da Arte Renascentista na Escola Superior de Artes Aplicadas Duperré, além de outros cursos livres sobre o patrimônio artístico de Paris: arquitetura, pintura, escultura, jardins, etc.


Sou oficialmente Guia de Turismo em Paris com carteira profissional emitida pelo Ministério do Turismo e da Cultura da França.


Assim com o olhar de uma viajante e de uma profissional da área, tenho oferecido meus serviços de acompanhamento, organização e consultoria para turistas brasileiros em Paris.


Bienvenue à Paris !


Miriam Tanno Girardot


quarta-feira, 16 de abril de 2014

Museu Rodin

Foto: Miriam ATG 
Auguste Rodin (12/11/1840 - 24/11/1917) é considerado um dos escultores mais notáveis ​​de seu tempo. 
Além das suas obras, o que mais me atrai ao visitar o Museu Rodin, é o local onde foi instalado, um antigo palacete, o Hôtel Biron, com o seu magnífico jardim. E que possui uma cafeteria, um ótimo lugar para fazer uma pausa.
O Hôtel (palacete) Biron construído entre 1727 e 1737, na época, localizado ao longo da região de Paris, era ao mesmo tempo uma casa na cidade e uma casa no campo.

O Pensador - foto: Miriam ATG 
O proprietário Abraham Peyrenc Moras faleceu um ano depois do término da construção.  A viúva decide de alugar o palacete para a Duquesa de Maine. E mais tarde vendeu a propriedade à Louis-Anotine de Gontaut-Biron, futuro marechal de Biron, que faz reformas e transforma os jardins em um dos mais bonitos e mais renomados de Paris. Embora respeitando as normas do jardim clássico à  francesa e as plantações feitas pelo primeiro proprietário, Biron faz inovações, dobrando o tamanho da superfície do parque, introduziu uma fonte circular e um pequeno jardim à inglesa.
Foto: Miriam ATG 
A partir de 1788, a propriedade passou nas mãos de inúmeros proprietários e inquilinos.  Em 1820, a propriedade foi comprada pela madre superior Madeleine-Louise Sophie de Barat, fundadora da Sociedade do Sagrado Coração de Jesus, que transformou o local em uma escola para moças de boa família. Nesse período, a propriedade passa por inúmeras transformações, desaparecendo uma boa parte da decoração original que foram vendidas para financiar as reformas e melhor adaptar o local à sua função atual. Até que em 1904, a Sociedade do Sagrado Coração de Jesus foi dissolvida e obrigada a abandonar seus bens imobiliários por causa da nova lei que separa o Estado e a Igreja.
Em 1905, na espera de ser vendido, o palacete Biron passa a acomodar inquilinos, entre eles, numerosos artistas, como o escritor Jean-Cocteau, o pintor Henri Matisse, a dançarina Isadora Duncan, a escultora Clara Westhoff, que é a esposa do poeta Rainer Maria Rilke, que por sua vez, era secretario do escultor Auguste Rodin, e que o fez descobrir essa propriedade.
Em 1908, Rodin aluga quatro salas no piso térreo para instalar o seu ateliê. E a partir de 1911, a propriedade foi adquirida pelo Estado que pretendia transformar o local na sede do Ministério da Educação, e os inquilinos desocupam o local, menos Rodin, que passa a ocupar toda a propriedade. 
A Porta do Inferno 
"Eu doarei ao Estado todo o meu trabalho de gesso, mármore, bronze, pedra e os meus desenhos, assim como a coleção de antigüidades que tive a alegria de adquirir, para a aprendizagem e educação de artistas e  trabalhadores. E eu peço ao Estado de manter o Hôtel Biron que será o Museu Rodin de todas essas coleções, em troca do direito de viver aqui toda a minha vida . " - correspondência de Rodin à Paul Escudier.
O Beijo 
Em 1916, foi aprovada uma lei na Assembléia Nacional, aceitando as três doações do escultor e confirmando que o Hôtel Biron e seus jardins serão transformados no Museu Rodin, onde serão expostas as obras de Rodin doadas ao Estado francês. O museu foi inaugurado oficialmente em 1919.

Em 1926, foi classificada como monumento histórico. O palacete e o jardim a partir dessa data, passaram inúmeras restaurações, renovação e remodelação para afirmar a sua vocação de museu.
Balzac - foto: Miriam ATG 
O Museu Rodin passou por uma grande reforma entre 2012 e 2015,  apresentando agora um novo percurso nas 18 salas, às vezes em ordem cronológica e outras em ordem temática.
Le Penseur de Edward Munch - foto: Miriam ATG 
Père Tanguy de Van Gogh - foto: Miriam ATG

Possui uma sala dedicada às artes gráficas e fotos, assim como uma sala com uma coleção de cerca de 50 pinturas.
As três sombras - foto: Miriam ATG
Endereço: 79, rue de Varenne

Metrô: linha 13 - estação Varenne e linha 13 e 8 estação Invalides

Funciona de 3a.feira a domingo, das 10h00 às 17h45

Fechado no dia 1° de janeiro, 1° de maio e 25 de dezembro

Ingresso:
Tarifa normal - 10 €

Tarifa reduzida:
18 a 25 anos que não fazem parte da Comunidade Européia - 7 €
18 a 25 anos residentes da Comunidade Européia - gratuito e 4€ para as exposições temporárias

Tarifa para visitar somente o jardim:
Tarifa normal - 4 €
Jovens que não fazem parte da Comunidade Européia - 2 €



Um comentário:

A senhora disse...

Eu adorei conhecer esse Museu, o Jardim é lindo!