Sempre tive uma grande paixão pelas viagens, em descobrir lugares novos, pessoas e costumes diferentes…


Ao longo dos últimos vinte anos viajei pelos cinco continentes, totalizando 35 países.


Foi viajando que encontrei a minha vocação. Me tornei guia de turismo no Rio de Janeiro, onde estudei e obtive a credencial nas categorias: regional, nacional e internacional pela Embratur.


Em 2000, me casei e acabei fixando residência em Paris. Aqui fiz vários cursos como História da Arte na Escola do Louvre, História da Arte Renascentista na Escola Superior de Artes Aplicadas Duperré, além de outros cursos livres sobre o patrimônio artístico de Paris: arquitetura, pintura, escultura, jardins, etc.


Sou oficialmente Guia de Turismo em Paris com carteira profissional emitida pelo Ministério do Turismo e da Cultura da França.


Assim com o olhar de uma viajante e de uma profissional da área, tenho oferecido meus serviços de acompanhamento, organização e consultoria para turistas brasileiros em Paris.


Bienvenue à Paris !


Miriam Tanno Girardot


quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Exposição "I ❤ Martine" em Paris !

Em 1954, período em que nasceram as primeiras séries destinadas ao público infantil, a editora belga Casterman pede à seus dois colaboradores, Gilbert Delahaye (autor e tipografo) e Marcel Marlier (ilustrador), para criarem um personagem feminino destinado à um público de 5 à 8 anos. Assim é criada Martine, em pleno período de baby-boom. As crianças  aderem em massa à esse personagem com a qual se identificam imediatamente.
Ela é uma menina modelo, que com seus irmãos John e Alain, seus amigos, seu cão Patapouf e o gato Moustache, vivem aventuras baseadas na vida cotidiana. Cada estória é relacionada à um evento: Martine vai para a fazenda, ao mar, as montanhas, ao circo, ao jardim zoológico, à cozinha, praticar vela, equitação, dança, teatro… tudo o que é relativamente trivial na vida de uma criança: em movimento, hospitalização, nascimento de um irmãozinho ...  
Os anos 60 foram marcados pela arte de viver e seu otimismo caracterizada pela abundância da época. Martine é um personagem que se beneficia de todo o conforto moderno, uma menina liberada e antenada com o seu tempo.
A série testemunha um certo ideal dos anos 1950, 1960 e 1970. A partir de 1980, a série se torna menos representativa da sua época e os críticos diziam que a obra é retrograda ou sexista, apresentando um universo burguês com suas preocupações. Mas mesmo assim,  a série continuou sendo um fenômeno editorial.
Desde sua criação, a série conheceu uma tiragem de cerca de 100 milhões de exemplares, vendido em mais de trinta países. Em Portugal e no Brasil é editado pela Editora Verbo, e a personagem chama-se Anita. Marika no Japão. Emma na Inglaterra.
As histórias , escritas por Gilbert Delahaye (1923-1997) e depois da morte deste último, por Jean-Louis Marlier. Ilustradas por Marcel Marlier, filho do Jean-Louis Marlier. A série foi interrompida em 2011 com a morte do ilustrador Marcel Marlier aos 80 anos.
As ilustrações que fez o sucesso da série evoluiu ao longo dos anos, mas em geral, é de um realismo bastante ingênuo. O projeto é detalhado, as luzes são lisonjeiras, as cores pastel.
O Museu en Herbe apresenta desde ontem, a exposição "I Martine" até o dia 02 de março 2014, com as ilustrações originais de Marcel Marlier. Uma retrospectiva de Martine no seu contexto histórico, sociológico e artístico. As visitas tornam mais interessantes para as crianças quando elas são guiadas, basta fazer a inscrição por telefone ou e-mail.


Fotos: Miriam T. Girardot

Nenhum comentário: