Sempre tive uma grande paixão pelas viagens, em descobrir lugares novos, pessoas e costumes diferentes…


Ao longo dos últimos vinte anos viajei pelos cinco continentes, totalizando 35 países.


Foi viajando que encontrei a minha vocação. Me tornei guia de turismo no Rio de Janeiro, onde estudei e obtive a credencial nas categorias: regional, nacional e internacional pela Embratur.


Em 2000, me casei e acabei fixando residência em Paris. Aqui fiz vários cursos como História da Arte na Escola do Louvre, História da Arte Renascentista na Escola Superior de Artes Aplicadas Duperré, além de outros cursos livres sobre o patrimônio artístico de Paris: arquitetura, pintura, escultura, jardins, etc.


Sou oficialmente Guia de Turismo em Paris com carteira profissional emitida pelo Ministério do Turismo e da Cultura da França.


Assim com o olhar de uma viajante e de uma profissional da área, tenho oferecido meus serviços de acompanhamento, organização e consultoria para turistas brasileiros em Paris.


Bienvenue à Paris !


Miriam Tanno Girardot


quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Comédie-Française


Foto: Miriam T. Girardot 



É um teatro estatal de França e um dos únicos que têm uma companhia permanente de atores.
O dramaturgo com maior ligação à Comédia-Française foi Molière, considerado o patrono dos atores franceses, no entanto, Molière havia falecido há sete anos quando nasceu La Maison de Molière. A poltrona na qual ele entrou em agonia durante uma apresentação da peça teatral "O doente imaginário" ainda se encontra exposta à direita da grande lareira do Foyer Public.
A Comédia-Française foi fundada por decreto de Luís XIV a 24 de Agosto de 1680 para fundir numa só as duas únicas companhias parisienses da época, a companhia do Hôtel Guénégaud e a do Hôtel de Bourgogne. O repertório da altura incluía peças de Molière e de Jean Racine, além de outras de Pierre Corneille, Paul Scarron e Jean de Rotrou.
Actualmente, a Comédie-Française dispõe de um repertório de cerca de 3.000 peças e de três salas de teatro, a sala Richelieu, o Théâtre du Vieux-Colombier e o Studio-Théâtre.

Nenhum comentário: