Sempre tive uma grande paixão pelas viagens, em descobrir lugares novos, pessoas e costumes diferentes…


Ao longo dos últimos vinte anos viajei pelos cinco continentes, totalizando 35 países.


Foi viajando que encontrei a minha vocação. Me tornei guia de turismo no Rio de Janeiro, onde estudei e obtive a credencial nas categorias: regional, nacional e internacional pela Embratur.


Em 2000, me casei e acabei fixando residência em Paris. Aqui fiz vários cursos como História da Arte na Escola do Louvre, História da Arte Renascentista na Escola Superior de Artes Aplicadas Duperré, além de outros cursos livres sobre o patrimônio artístico de Paris: arquitetura, pintura, escultura, jardins, etc.


Sou oficialmente Guia de Turismo em Paris com carteira profissional emitida pelo Ministério do Turismo e da Cultura da França.


Assim com o olhar de uma viajante e de uma profissional da área, tenho oferecido meus serviços de acompanhamento, organização e consultoria para turistas brasileiros em Paris.


Bienvenue à Paris !


Miriam Tanno Girardot


quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Santa Genoveva, a padroeira de Paris

Estatua de Santa Genoveva - foto: Miriam ATG 
Santa Genoveva - Sainte Geneviève -  é uma santa francesa, nasceu no século V e morreu com 89 anos (03/01/512), uma vida longa para a época.
Desde os 16 anos levou uma vida ascética e consagrada à Deus. 
E com 28 anos, graças à sua fé, rezando dia e noite com outras mulheres, Genoveva convenceu os homens parisienses a não fugirem e entregar a cidade aos hunos, que já havia pilhado as cidades de Metz e Reims e se dirigia à Paris.  
Milagrosamente, o guerreiro bárbaro Atila perde o interesse por Paris e segue com seu exército para Orleans. Assim, Genoveva passou a ser a padroeira de Paris.  
Seus restos mortais encontram-se na Igreja St-Etienne-du-Mont, próxima ao Panteão.
Uma estátua da santa foi erigida na Ponte de la Tournelle sobre o rio Sena, feita pelo mesmo escultor do nosso Cristo Redentor no Rio de Janeiro, Paul Landowski, inaugurada em 1928.   


Um comentário:

Maria Genoveva Piccinin disse...

Foi a única estátua que vi em Paris