Sempre tive uma grande paixão pelas viagens, em descobrir lugares novos, pessoas e costumes diferentes…


Ao longo dos últimos vinte anos viajei pelos cinco continentes, totalizando 35 países.


Foi viajando que encontrei a minha vocação. Me tornei guia de turismo no Rio de Janeiro, onde estudei e obtive a credencial nas categorias: regional, nacional e internacional pela Embratur.


Em 2000, me casei e acabei fixando residência em Paris. Aqui fiz vários cursos como História da Arte na Escola do Louvre, História da Arte Renascentista na Escola Superior de Artes Aplicadas Duperré, além de outros cursos livres sobre o patrimônio artístico de Paris: arquitetura, pintura, escultura, jardins, etc.


Sou oficialmente Guia de Turismo em Paris com carteira profissional emitida pelo Ministério do Turismo e da Cultura da França.


Assim com o olhar de uma viajante e de uma profissional da área, tenho oferecido meus serviços de acompanhamento, organização e consultoria para turistas brasileiros em Paris.


Bienvenue à Paris !


Miriam Tanno Girardot


sexta-feira, 25 de março de 2016

Jardins e a casa de Monet em Giverny

Foto: Miriam ATG 
Hoje é a abertura dos belíssimos jardins da casa de Monet, em Giverny !
Do dia 25 de março ao 1° de novembro 2016, aberto todos os dias, das 9h30 às 18h00.

Em 1883, o pintor Claude Monet se instalou em Giverny, que transformou os seus jardins numa obra de arte, os quais inspiraram muitas das suas maiores obras. 

Na casa que também pode ser visitada, podemos ver como vivia Claude Monet, a esposa e seus oito filhos. 

Muito atento à sua família, era igualmente atento aos seus jardins.

Uma das suas citações : "fora a pintura e a jardinagem, eu não sou bom para  nada". 





As visitas freqüentes de amigos e admiradores fizeram de  sua casa em Giverny, chamada de "Clos Normand", o centro da sua existência.

Foto: Miriam ATG 
Permanecendo nessa propriedade até a sua morte em 1926, aos  86 anos de idade.

Em 1893, ele comprou o terreno na parte inferior do Clos Normand (jardim em frente da casa), do outro lado da linha férrea e fez desviar o pequeno rio Epte, formando uma lagoa, criando assim, o jardim aquático.


Nesse jardim, Monet fez construir uma ponte japonesa, mas que foi pintada de verde para se destacar do vermelho usado tradicionalmente no Japão.

Passando do interior da sua casa aos jardins, Monet vivia no Japão na Normandia, mesmo sem nunca ter visitado o país do Sol Nascente, ele quis criar uma atmosfera oriental, escolhendo plantas como os bambus, os gingkos biloba, os bordos (maples), entre outras plantas japonesas que cercam maravilhosamente o lago.

Foto: Miriam ATG 
Falando em sol nascente. Foi na sua primeira exposição, em 1874, onde sua obra "Impression Sol Nascente",  deu a origem ao movimento "Impressionista".


Monet tinha uma verdadeira paixão pelas gravuras japonesas.
Possuía uma centena de gravuras japonesas de artistas consagrados como Utamaro, Hokusai e Hiroshige, que permanecem expostas na sua casa, enquanto que suas pinturas originais foram transferidas ao Museu Marmottan Monet (http://www.marmottan.fr), em Paris. 

Monet ficou tão orgulhoso de seu jardim aquático, que ele gostava de receber seus hóspedes e passava horas contemplando-o. 
Em 1897 ele começou a pintar as ninféias.  Na tentativa de restaurar as tonalidades das cores daquele jardim, Monet realiza uma de suas maiores obras-primas e leva sua pintura aos limites da abstração, onde a vibração das cores é o suficiente para evocar um mundo de sensações e emoções.


Hoje, "As Ninféias" podem ser admiradas no Museu de l'Orangerie (http://www.musee-orangerie.fr/en) e em numerosos museus espalhados pelo mundo.


O primeiro jardim em frente à casa, chamado de "Clos Normand" é florido de capuchinhas, dálias,  iris, papoulas, pivoines…


Basta atravessar um corredor subterrâneo que passamos para o jardim aquático, o universo japonês de Monet.


As lindas glicínias da ponte verde florescem entre abril e junho. 

É necessário 2 horas para visitar a casa e os jardins.

Como em todos os museus, uma loja de lembranças se encontra antes da saída, onde funcionava o antigo ateliê das Ninféias, numa superfície de 300 m2, onde 2.500 artigos com o tema dos jardins e das obras de Monet são comercializados aos visitantes.


Claude Monet foi enterrado em 08 de dezembro de 1926, no cemitério próximo à igreja do vilarejo, Sainte-Radegonde.

Como chegar
Giverny é um pequeno vilarejo, a 75 Km de Paris, com aproximadamente 500 habitantes.

De Paris, devemos pegar um trem da SNCF na Gare Saint Lazare, para a cidade de Vernon, pois não há trem direto para Giverny.
O trajeto custa 14,70 €, mas já compre ida e volta, demora cerca de 45  minutos.
Site da SNCF : http://www.voyages-sncf.com

Na própria estação de trem em Vernon, há um ônibus à cada 15 minutos depois da chegada dos trem de Paris, que custa 8 € ida/volta, que faz o trajeto até o vilarejo de Giverny.
Veja os horários dos ônibus (navette) e onde pegar :
http://www.giverny.fr/wp-content/uploads/GIVERNY-6P-2016-100x210-V3-1.pdf

Também aconselho a comprar antecipadamente o bilhete da Fondation Claude Monet: http://www.digitick.com/index-css5-fondationmonet-pg1.html

Tarifas
Adultos: 9,50 €
Crianças e estudantes a partir de 7 anos: 5,50 €
Crianças até 6 anos: gratuito
Deficientes físicos: 4 €
Bilhetes combinados (billets jumelés)
- Fondation Monet + Museu Marmottan Monet em Paris
  Adultos: 20,50 €
  Crianças e estudantes a partir de 7 anos: 12 €
  Crianças até 6 anos: gratuito
  Deficientes físicos: 4 €
- Fondation Monet + Museu de l'Orangerie
  Adultos: 18,50 €
Onde comer
 vários restaurantes próximos à Casa de Monet, como o restaurant Les Nymphéas, que oferece menu du jour (menu prato do dia) à 25 € durante a semana e 30 € no final de semana, meu para crianças até 12 anos à 9,90 €.
Menu du Jour - em francês e inglês
Menu para crianças - somente em francês

Querendo fugir dos restaurantes lotados de Giverny,  é possível comer em Vernon, que por ser uma cidade maior, oferece mais opções de restaurantes.


Nenhum comentário: