Sempre tive uma grande paixão pelas viagens, em descobrir lugares novos, pessoas e costumes diferentes…


Ao longo dos últimos vinte anos viajei pelos cinco continentes, totalizando 35 países.


Foi viajando que encontrei a minha vocação. Me tornei guia de turismo no Rio de Janeiro, onde estudei e obtive a credencial nas categorias: regional, nacional e internacional pela Embratur.


Em 2000, me casei e acabei fixando residência em Paris. Aqui fiz vários cursos como História da Arte na Escola do Louvre, História da Arte Renascentista na Escola Superior de Artes Aplicadas Duperré, além de outros cursos livres sobre o patrimônio artístico de Paris: arquitetura, pintura, escultura, jardins, etc.


Sou oficialmente Guia de Turismo em Paris com carteira profissional emitida pelo Ministério do Turismo e da Cultura da França.


Assim com o olhar de uma viajante e de uma profissional da área, tenho oferecido meus serviços de acompanhamento, organização e consultoria para turistas brasileiros em Paris.


Bienvenue à Paris !


Miriam Tanno Girardot


domingo, 31 de agosto de 2014

Gabriel Garcia Marquez em Paris


Foi nesse hotel em 1957, que o escritor colombiano Gabriel Garcia Marquez, Prêmio Nobel de Literatura em 1982, escreveu seu romance "Ninguém Escreve ao Coronel" (El coronel no tiene quien le escriba).
Hôtel des 3 Collèges: 16, rue Cujas - 75005 - Paris

Galerie Vivianne - uma passagem coberta em Paris

Foto: Miriam ATG 

As maioria das passagens cobertas foram construídas na primeira metade do século XIX, para abrigar clientes ricos das intempéries e ao mesmo tempo, oferecendo uma variedade de estabelecimentos comerciais agrupados (um tipo de pré-shopping center). 
Paris chegou a ter 150 passagens cobertas, mas com a reforma urbanística de Haussmann, abrindo grandes avenidas, nas quais se instalaram lojas de departamento, o comércio dessas passagens cobertas acabaram perdendo para a concorrência e uma boa parte delas desapareceram.
Essa é da Galeria Vivianne, construída em 1823, situada entre o Palais Royal, a Bourse e o Grands Boulevards, essa passagem teve um sucesso considerável até o final do Segundo Império. Em 1986, com a instalação no local do estilista francês Jean-Paul Gaultier e da japonesa Yuki Torii, a galeria passou a ter sucesso novamente.
As três entradas da Galerie Vivianne:
- rue Vivianne
- rue de la Banque
- rue des Petits-Champs

Foto: Miriam ATG