Sempre tive uma grande paixão pelas viagens, em descobrir lugares novos, pessoas e costumes diferentes…


Ao longo dos últimos vinte anos viajei pelos cinco continentes, totalizando 35 países.


Foi viajando que encontrei a minha vocação. Me tornei guia de turismo no Rio de Janeiro, onde estudei e obtive a credencial nas categorias: regional, nacional e internacional pela Embratur.


Em 2000, me casei e acabei fixando residência em Paris. Aqui fiz vários cursos como História da Arte na Escola do Louvre, História da Arte Renascentista na Escola Superior de Artes Aplicadas Duperré, além de outros cursos livres sobre o patrimônio artístico de Paris: arquitetura, pintura, escultura, jardins, etc.


Sou oficialmente Guia de Turismo em Paris com carteira profissional emitida pelo Ministério do Turismo e da Cultura da França.


Assim com o olhar de uma viajante e de uma profissional da área, tenho oferecido meus serviços de acompanhamento, organização e consultoria para turistas brasileiros em Paris.


Bienvenue à Paris !


Miriam Tanno Girardot


domingo, 15 de novembro de 2015

Terrorismo em Paris - Informações


A França encarna tudo o que os religiosos fanáticos mais detestam no mundo: a alegria de viver por uma miríade de pequenas coisas: o aroma de uma xícara de café e croissants na manhã, de mulheres bonitas de vestido sorrindo livremente nas ruas, o cheiro de um pão quente, uma garrafa de vinho que bebemos com amigos, algumas gotas de perfume, crianças brincando no Jardim de Luxembourg, o direito de não acreditar em qualquer deus, de não ligar em contar as calorias, de paquerar, fumar, gostar do sexo antes do casamento, de tirar férias, de poder ler qualquer livro, de ir à escola gratuitamente, brincar, rir, brigar, zombar da prelazia assim como dos políticos, não se preocupar com a vida após a morte. Nenhum país do mundo tem uma melhor definição da vida como os franceses.   (comentário publicado no NY Times) 

Tenho falado com jovens brasileiros que se encontram na França ou em outro país europeu. A preocupação maior são dos pais desses jovens que desejam que eles voltem ao Brasil depois desses ataques terroristas em Paris.

Fazer os filhos voltarem ao Brasil não acaba o medo em relação à violência, porque a violência no Brasil também existe, sabemos de onde ela vem, sabemos como conviver com ela, e passamos a nossa vida tentando evitá-la. 

A taxa de mortalidade no Brasil em 2012 foi de 42.416 pessoas mortas por armas de fogo, o equivalente a 116 óbitos por dia, segundo o Mapa da Violência 2015 em estudo realizado pelo governo brasileiro, a Organização da ONU para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e a faculdade Latino Americana de Ciências Sociais (FLACSO), publicado em 14/05/2015. 

Embora muitos franceses dizem que não vão ceder ao terror, os terroristas conseguiram o objetivo deles que é de semear o terror.  Sentimos medo sim, muito medo, mas vamos continuar a levar a vida como sempre…

Amanhã, segunda-feira, ao meio-dia, será realizado um minuto de silêncio às vítimas.

A Torre Eiffel estará aberta a partir de amanhã, 2a.feira. 

Os museus municipais normalmente fechadas na 2a.feira, abrirão normalmente a partir da 3a.feira

As bibliotecas normalmente fechadas na 2a.feira, abrirão normalmente a partir da 3a.feira.

Os teatros e os circos começarão a funcionar a partir de amanhã, 2a.feira. Sendo que os dispositivos de segurança é responsabilidade dos organizadores respectivos.

Disney Paris abrirá a partir do dia 18 de novembro.

Todas as manifestações nas ruas de Paris (feiras livres, brechós, feiras de Natal, a roda gigante, todas as animações na beira do Sena) somente a partir do dia 20 de novembro. 

O transporte público (metrô, trem RER, tranway, ônibus) funciona normalmente, somente a estação Oberkampf continua fechada.

Os controles de segurança serão redobrados, por isso cheguem aos aeroportos com um mínimo de 3 horas antes do horário do vôo. 

Informações pelo site  Mairie de Paris




Um comentário:

Anônimo disse...


Pois é, Miriam,

De certa forma, atingir Paris é atingir o coração do pensamento ocidental e o ideal de "liberdade, igualdade e fraternidade" que, mesmo estando longe de ser uma realidade, constitui o lema da nação francesa. Mas a força desse ideal é muito poderosa e, mais uma vez, o "Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima", do saudoso Paulo Vanzolini, será o mote para essa cidade também maravilhosa, como a nossa, continuar a encantar o mundo.

Miguel Farah Neto
Rio de Janeiro, Brasil