Sempre tive uma grande paixão pelas viagens, em descobrir lugares novos, pessoas e costumes diferentes…


Ao longo dos últimos vinte anos viajei pelos cinco continentes, totalizando 35 países.


Foi viajando que encontrei a minha vocação. Me tornei guia de turismo no Rio de Janeiro, onde estudei e obtive a credencial nas categorias: regional, nacional e internacional pela Embratur.


Em 2000, me casei e acabei fixando residência em Paris. Aqui fiz vários cursos como História da Arte na Escola do Louvre, História da Arte Renascentista na Escola Superior de Artes Aplicadas Duperré, além de outros cursos livres sobre o patrimônio artístico de Paris: arquitetura, pintura, escultura, jardins, etc.


Sou oficialmente Guia de Turismo em Paris com carteira profissional emitida pelo Ministério do Turismo e da Cultura da França.


Assim com o olhar de uma viajante e de uma profissional da área, tenho oferecido meus serviços de acompanhamento, organização e consultoria para turistas brasileiros em Paris.


Bienvenue à Paris !


Miriam Tanno Girardot


terça-feira, 18 de março de 2014

Portinari em Paris


No dia 08 de maio, será inaugurada a exposição de um dos mais importantes pintores brasileiros, Cândido Portinari (1903-1962), no Grand Palais em Paris.  
Acompanhada de um guia conferencista, descubra a obra excepcional de um pintor engajado na história e lutas do seu tempo. 
A visita guiada sobre a obra "Guerra e Paz de Portinari" tem duração de 1 hora. A exposição apresenta  35 estudos preparatórios, um espaço multimídia que apresenta a obra completa de Portinari (quase 5 mil) classificada por ordem  cronológica, cinco telas interativas que mostram a vida do pintor e seu contexto histórico e uma sala de projeção sobre a obra "Guerra e Paz".
Organizada pelo Projeto Portinari e patrocinada pelo Ministério das Relações  Exteriores e do Ministério da Cultura do Brasil, do Ministério da Cultura e da Comunicação da França e da Reunião dos Museus Nacionais - Grand Palais e a coordenação Expomus.

A obra "Guerra e Paz" são dois painéis de aproximadamente 14 x 10 m cada um. Um representando a guerra, com cores mais escuras, cenas que demonstram a dor,  o medo, a tristeza e o desespero… O segundo painel representa  a paz,  com cenas com pessoas cantando, dançando, enfim de cenas alegres.  Os painéis produzidos por Portinari entre 1952 e 1956,  foram encomendados pelo governo brasileiro (JK na época) para presentear a sede da Organização nas Nações Unidas (ONU)  em Nova York. Por essa obra, Portinari recebeu um prêmio concedido pela Fundação Guggenheim.  

Desde 1957, instalados no hall de entrada da Assembléia Geral, na sede das Nações Unidas, em Nova York,  os painéis foram enviados ao Brasil em dezembro de 2010, para serem restaurados no Palácio Capanema, no Rio de Janeiro, em ateliê aberto ao público, enquanto a sede da Onu estava em reformas.  
Depois foi realizada uma  exposição que começou no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, passando ao Memorial da América Latina em São Paulo, agora no Grand Palais em Paris, devendo seguir para o Memorial da Paz de Hiroshima no Japão, e depois ao Auditório Municipal de Oslo onde estará exposto durante a entrega do Prêmio Nobel da Paz, e por último, no Museu de Arte Moderna de Nova York, antes de voltar ao seu lugar original na sede da ONU.


Local: Grand Palais - Salon d'Honneur : 3, avenue du Général Eisenhower
Metrô: linhas 1 e 13 - estação: Champs Elysées Clemenceau 
Data: 08/Maio/2014 a 09/Junho/2014
Horário: 10:00 às 20:00  - e nas 4as.feiras visita noturna até as 22:00
Todos os dias, exceto as 3as.feiras
Tarifa: gratuita 
Visita guiada: 7 €
Visita guiada com desconto: 5 €
Oferta tarifaría "Tribu" - billete para grupo formado por 2 adultos e 2 jovens de 5 à 25 anos: 19 € - todos devem entrar juntos
Datas: 2as, 3as e 6as.feiras às 15h15


5 comentários:

joão carlos da Luz disse...

Num trabalho de campo na graduação de ciências sociais, em cuja disciplina, economia, estudávamos implantação do sistema ferroviário para o transporte do café pruduzido até o porto de santos, no final do século XIX. Tínhamos como foco nesse estudo as conseqüentes mudanças relacionadas ao tempo no cotidiano das pessoas, visto que até então todo café produzido descia a serra do mar transportado em lombos de mulas.
Pois bem, foi seguindo os ramais de expansão da Ferrovia Mogiana que acabei chegando a Brodowski, berço desta figura genial cujo olhar voltado para realidade social brasileira, fez da arte na qual se engajou, uma função social. Sobre tudo nos temas que retratam o trabalho rural, o cotidiano nas favelas e os retirantes nordestinos, incidindo quase sempre na caracterização de dois tipos, o negro e o mulato.
Esse olhar profundo que se estendeu sobre a desigualdade social reinante em nossa sociedade é muito bem retratado também em Guerra e Paz. Painéis que foram encomendados pelo presidente Juscelino Kubitschek em 1952 a Candido Portinari para presentear a sede da ONU em Nova York, cuja inauguração o artista não pode ir, tendo seu visto negado para entrar nos Estados Unidos por sua ligação com o partido comunista.
Ao Portinari, Grand Palais, Paris!!!

Miriam Tanno Girardot disse...

Merci, Jesse !

A senhora disse...

Muito bom! As pessoas podem apreciar as obras de Portinari, sem custo nenhum. Tinha muita gente nessa exposição?

Miriam Tanno Girardot disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Miriam Tanno Girardot disse...

Fui hoje e apesar de ser gratuito, não estava lotado. A exposição está belíssima. Uma pena que a exposição já vai acabar no dia 09 de junho.