Sempre tive uma grande paixão pelas viagens, em descobrir lugares novos, pessoas e costumes diferentes…


Ao longo dos últimos vinte anos viajei pelos cinco continentes, totalizando 35 países.


Foi viajando que encontrei a minha vocação. Me tornei guia de turismo no Rio de Janeiro, onde estudei e obtive a credencial nas categorias: regional, nacional e internacional pela Embratur.


Em 2000, me casei e acabei fixando residência em Paris. Aqui fiz vários cursos como História da Arte na Escola do Louvre, História da Arte Renascentista na Escola Superior de Artes Aplicadas Duperré, além de outros cursos livres sobre o patrimônio artístico de Paris: arquitetura, pintura, escultura, jardins, etc.


Sou oficialmente Guia de Turismo em Paris com carteira profissional emitida pelo Ministério do Turismo e da Cultura da França.


Assim com o olhar de uma viajante e de uma profissional da área, tenho oferecido meus serviços de acompanhamento, organização e consultoria para turistas brasileiros em Paris.


Bienvenue à Paris !


Miriam Tanno Girardot


domingo, 15 de setembro de 2013

No bairro Marais

Foto: Miriam ATG 

Faz anos que vejo esse grupo de jazz com uma senhora que dança graciosamente na rue des Francs-Bourgeois, em frente ao Museu Carnavalet, nos finais de semana.
Ernest Hemingway já dizia "Paris é uma festa" !

Foto: Miriam ATG 
Nos finais de semanas, algumas ruas do Marais são fechadas para os veículos, e invadidas pelos parisienses e turistas, é difícil andar sem esbarrar em alguém. 
É aqui onde encontra-se os vestígios da Paris Renascentista com seus hotéis particulares, antigo gueto judeu, atual gueto gay, com muitas galerias de arte, lojas transadas, bares e restaurantes.
É uma delicia passar o dia explorando o bairro do Marais.

Foto: Miriam T. Girardot 
Place de Vosges, originalmente Place Royale, uma das primeiras praças simétricas da Europa. Considerada umas das mais charmosas de Paris.
Uma delicia ficar sentado ou deitado na grama, comer, ler, dormir, tomar sol...

Um comentário:

A senhora disse...

Ernest tinha razão, tudo é festa. As pessoas não podem perder um passeio no parque ou nas ruas do Marais.